Qual é a nova rede social que vai substituir o Facebook e o Instagram?

Qual é a nova rede social que vai substituir o Facebook e o Instagram?
Photo by ROBIN WORRALL on Unsplash

Se for capaz de ler as tendências, talvez consiga antecipar o mercado e perceber qual é a nova rede social que vai ganhar espaço e dominar o mercado.

Com essa informação, qualquer um de nós pode ganhar bastante dinheiro.

Além disso, conhecer novos espaços digitais também ajuda a identificar excelentes oportunidades para divulgar produtos ou serviços.

Assim sendo, vamos falar de 17 projetos que já estão a ganhar tração e a mudar a forma como usamos e pensamos a internet e as redes sociais.

PS:

No final deste vamos olhar tentar perceber quanto dinheiro é possível ganhar a investir em ações de redes sociais.

Por isso, leia até ao fim!

[adinserter block=”2″]

Qual é a nova rede social que está a conquistar a internet?

Vero

Esta rede social inspira-se num ideal de verdade para incentivar os seus utilizadores a serem eles próprios.

A mecânica do interface faz lembrar o Instagram, apesar da estética muito própria e das várias diferenças (importantes) que fazem parte do seu fator diferenciador.

A Vero, rede social nativa do espaço mobile, foi um fenómeno viral em Fevereiro de 2018, quando mais de meio milhão de utilizadores descarregaram a app em apenas 24h.

O seu feed cronológico, a criação de audiências personalizadas e publicações segmentadas, a ausência de anúncios, imagens e vídeos sem compressão, são algumas das funcionalidades que a distinguem do Instagram.

Neste momento, já conta com mais de 1 milhão de instalações no Google Play e é um player bem estabelecido no mercado.

No entanto, apesar da trajetória ascendente, a empresa também tem gerado alguma atenção menos positiva.

Bugs na plataforma, questões sobre os direitos de autor do conteúdo que os utilizadores criam diariamente e dúvidas sobre o CEO, Ayman Hariri.

De acordo com a Crunchbase, a empresa fez duas rondas de investimento num total de 4 milhões de dólares.

Se pensarmos numa nova rede social que pretenda ocupar exatamente o mesmo espaço do Instagram, provavelmente, a Vero é a única desta lista.

Caffeine

Criada em 2016 e ainda em pre-release, a Caffeine é um projeto que está a gerar bastante entusiasmo.

Esta nova rede social dedica-se ao streaming de vídeo e foca-se nas áreas do gaming, entretenimento e artes criativas.

Quando criamos conta na Caffeine e temos contacto direto com a plataforma, algumas semelhanças com o Twitch são óbvias.

No entanto, qualquer streamer com experiência sabe que este projeto é tudo menos redundante, com vários fatores diferenciadores, alguns muito, muito interessantes.

A latência extremamente reduzida, a monetização aberta a 100% da comunidade e o aspecto social muito mais vincado, são alguns dos fatores que podem ajudar a conquistar novos utilizadores.

Mas iniciar um stream com um click, sem necessitar de software externo, é uma verdadeira revolução.

Neste momento, o site recebe cerca de 500 mil visitas por dia e a app tem cerca de 50 mil instalações no Google Play.

De acordo com a Crunchbase, a empresa fez três rondas de investimento em apenas dois anos, num total de 146 milhões de dólares.

Muito interessante, principalmente face à recente apresentação do Google Stadia.

House Party

Da autoria da Life On Air Inc., liderada por Ben Rubin, a House Party é uma aplicação móvel de chat por vídeo.

A empresa também é responsável pela Meerkat, app que foi um sucesso viral em 2016, e obrigou Facebook e Twitter a uma verdadeira corrida à integração do streaming.

A House Party permite criar conversas com até 8 participantes, numa aplicação extremamente simples, quase minimalista, que já tem mais de 5 milhões de instalações no Google Play.

O fator diferenciador é quase inexplicável, mas se juntar 7 dos seus amigos para testar a aplicação vai perceber logo.

Numa altura em que as redes sociais são apontadas como uma das principais causas da solidão humana na sociedade moderna, a Life On Air Inc. re-imaginou a mecânica do chat por vídeo e criou uma nova rede social que só funciona no plural.

De acordo com a Crunchbase, a empresa financiou-se em mais de 70 milhões de dólares, em 5 rondas de investimento.

Tik Tok

A Tik Tok faz parte da ByteDance, conglomerado Chinês que em Outubro de 2018 se tornou a start-up mais valiosa do mundo.

A rede social nasceu em Setembro de 2016 e, numa primeira fase, só estava disponível para o mercado Oriental.

Depois de comprar a Musical.ly por 1 bilião de dólares, em Novembro de 2017, a ByteDance partiu à conquista de uma presença à escala global.

Lembra-se do Vine? Aquela nova rede social que captou a imaginação da internet entre 2013 e 2016?

A Tik Tok é algo parecido…

Aqui, os utilizadores podem partilhar micro-vídeos, normalmente acompanhados por música, e participar numa comunidade extremamente criativa que está a captar a imaginação das gerações mais jovens.

A aplicação tem mais de 500 milhões de downloads no Google Play, um número extremamente impressionante, e já tem bastantes utilizadores no mercado do Brasil e Portugal.

De acordo com a Crunchbase, desde 2018, a ByteDance financiou-se em mais de mais de 4 biliões de dólares, em apenas 3 rondas de investimento.

Um dos players mais interessantes desta lista.

Facecast

Também nativa do espaço mobile, esta rede nova social foi lançada em Maio de 2018 e é bastante semelhante à Tik Tok.

A app é dedicada aos criadores de conteúdo vídeo, normalmente acompanhados por música, com desafios agrupados em hashtags e bastante humor.

Também é possível fazer live streaming e descobrir pessoas numa sala de chat aleatória.

Ao passear pela aplicação, torna-se evidente que a Facecast é um fenómeno global que captou a atenção de uma comunidade extremamente criativa.

No entanto, apesar de ter mais de 100 mil instalações no Google Play, em função da existência de outros produtos muito semelhantes, é complicado imaginar um futuro em que a Facecast consiga dominar.

The Dots

O projeto descreve-se como “o LinkedIn da criatividade”.

Colocada online em Setembro de 2014, esta nova rede social pretende ligar profissionais criativos e empresas, para criar oportunidades de colaborar em projetos e ajudar a montar equipas.

Mais, o The Dots pretende ser o espaço onde as pessoas criativas encontram a inspiração que precisam.

Em 2009, Pip Jamieson criou The Loop, uma plataforma utilizada por cerca de 70% dos profissionais criativos na Austrália.

A ideia é replicar o sucesso à escala global, ainda que neste momento a ativade esteja focada no território do Reino Unido.

O site recebe cerca de 500 mil visitas por mês e, de acordo com a Crunchbase, até à data, a empresa conseguiu 5,5 milhões de libras em duas rondas de investimento.

Muito interessante, principalmente em função do CEO que lidera o projeto.

ReverbNation

Mais do que uma nova rede social, a ReverbNation é uma plataforma para quem procura oportunidades na indústria da música.

Para lá dos perfis que lembram vagamente o Myspace, o core dos serviços da empresa acontece no backoffice.

Aí, os utilizadores encontram ferramentas de marketing para promover a sua música. Algumas são gratuitas, outras pagas num modelo de subscrição.

Online desde Outubro de 2006, o site tem mais de 5 milhões de visitas por mês e é utilizado por mais de 4 milhões de artistas em todo o mundo.

De acordo com a Crunchbase, a empresa gerou 8,6 milhões de dólares em três rondas de investimento.

A forma como consumimos música alterou-se dramáticamente nos últimos 20 anos…

O sucesso da ReverbNation depende do valor que acrescenta aos seus clientes, os músicos, numa altura em que Spotify, Apple Music, e serviços de streaming de uma forma geral, são alvos de algumas críticas.

Anchor

A Anchor é uma plataforma dedicada aos podcasts.

Não é necessáriamente uma rede social, mas merece menção nesta lista devido à forma como está a mudar as regras da produção e distribuição do audio.

A empresa foi criada em 2014 e a primeira versão pública foi colocada online em 2016.

Hoje, o site tem mais de 3 milhões de visitas por dia e a aplicação móvel tem mais de 500 mil downloads no Google Play.

A missão da empresa é “democratizar o audio” e, sem dúvida, com as várias ferramentas que coloca à disposição dos seus utilizadores, nunca foi tão fácil produzir, editar, distribuir e monetizar um podcast.

Muito, muito interessante, principalmente face às várias aquisições que a Apple tem feito neste mercado.

De acordo com a Crunchbase, a empresa conseguiu mais de 14 milhões de dólares, em 4 rondas de investimento.

Care2

A Care2 é uma nova rede social (com 20 anos de existência) focada em ter um impacto positivo no mundo.

Os utilizadores podem criar petições, assinar petições já existentes, seguir causas e encontrar pessoas, grupos e empresas com os mesmos interesses.

A empresa é liderada por Randy Paynter, foi fundada em 1998 e o site recebe cerca de 4 milhões de visitas por dia.

De acordo com a Crunchbase, a empresa conseguiu quase 6 milhões em 2 rondas de investimento.

Um conceito interessante, cada vez mais atual no contexto das redes sociais, numa altura em que são quase sinónimo de política.

Steemit

O Steemit é uma plataforma de social blogging que integra a tecnologia blockchain.

Aqui, os criadores de conteúdo recebem STEEMs, a criptomoeda nativa, em função do valor que acrescentam à comunidade.

Ativo desde Março de 2016, atualmente o site recebe cerca de 12 milhões de visitas diárias.

Apesar de enfrentar algumas dificuldades, comuns a quase todos os projetos na esfera das criptomedas, a comunidade desta nova rede social é extremamente ativa e dinâmica.

É possível encontrar blogs a falar sobre tudo um pouco e é uma excelente forma de entrar no mundo das criptomedas e até ganhar algum dinheiro.

O conceito do projeto é extraordinário, mas talvez o seu sucesso esteja dependente do futuro das criptomedas como um todo.

Seja como for, o Steemit é um espaço que enriquece os seus utilizadores e que vale bem a pena conhecer.

DTube

Outra aplicação descentralizada, a correr no blockchain Steem, o DTube funciona como uma plataforma para alojar e partilhar vídeos.

As semelhanças não se ficam só pelo nome, estéticamente o site também é muito semelhante ao Youtube.

Tal como acontece no Steemit, os criadores de conteúdo recebem STEEMs, a criptomoeda nativa, em função do valor que acrescentam à comunidade.

O site recebe cerca de 1,5 milhões de visitas por mês e está disponível desde 2017.

Uma parte interessante do DTube, e uma consequência da tecnologia blockchain, não é possível apagar os vídeos depois de eles serem colocados online.

Mais uma vez, principalmente em função de o Youtube estar a apertar as regras da monetização, esta nova rede social é muito, muito interessante.

Mastodon

A Mastodon apresenta-se como uma alternativa ao Twitter, numa experiência de microblogging limitada a 500 caracteres por mensagem, ou “toots”.

A grande diferença é que qualquer pessoa é livre para criar o seu servidor Mastodon e administrar a mecânica e as regras da comunidade.

Esta nova rede social, open source e descentralizada, foi criada por Eugen Rochko e colocada online a 5 de Outubro de 2016.

Hoje, o site tem mais de 1 milhão de visitas por mês e mais de 2 milhões de utilizadores registados.

Para aceder à rede podemos utilizar uma série de aplicações diferentes, de developers 100% independentes, criadas com o código open source da Mastodon.

A Mastodon lidera um paradigma tecnológico novo, onde nada é proprietário.

Apesar de ser extremamente interessante, o aspecto mais técnico pode ser uma barreira à aquisição de utilizadores menos sofisticados.

Minds

Outra rede social open source e descentralizada, criada para proteger a liberdade de expressão e a privacidade, que usa tecnologia blockchain para recompensar os seus utilizadores.

Visualmente, o feed da Minds lembra vagamente o Facebook.

A empresa foi criada por Bill Ottman, em 2011, e o site foi colocado online em 2015.

Hoje, tem mais de 3 milhões de visitas por mês e mais de 1 milhão de utilizadores registados.

Estes números podem parecer um grão de areia, principalmente quando comparados com os do Facebook.

No entanto, convém dizer que a Minds detém um recorde notável, alcançado em Junho de 2017 – é a iniciativa de crowdfunding que mais rapidamente angariou 1 milhão de dólares.

De acordo com a Crunchbase, a empresa financiou-se em mais de 7 milhões de dólares, em 3 rondas de investimento.

Duck Duck Go

Não é uma rede social, mas vale a pena conhecer esta empresa e perceber o que é que está a alimentar o seu crescimento.

O que distingue este motor de busca é o compromisso com a privacidade.

O Duck Duck Go não coleciona a informação dos seus utilizadores e não a partilha com terceiros.

A empresa também tem uma extensão compatível com Chrome, Firefox, Internet Explorer, Microsoft Edge, Opera e Safari, e uma aplicação móvel para Android e iOS.

De uma forma geral, as inquietações em relação à privacidade na internet são cada vez maiores e o Duck Duck Go é uma alternativa que o ajuda a recuperar o controle sobre os seus dados.

A empresa foi lançada em 2008 e hoje o site tem mais de 600 mil visitantes por mês, com mais de 1 bilião de pesquisas mensais.

Ainda muito longe de poder ser uma ameaça ao monopólio do Google, mas o crescimento da empresa é notável.

Gab

A Gab nasceu em 15 de Agosto de 2016 e é liderada por Andrew Torba.

Com um interface faz lembrar o Twitter, timeline vertical e agregação de conteúdo via hashtags, esta nova rede social foi criada para defender a liberdade de expressão no espaço digital e oferecer uma alternativa ao monopólio dos grandes players do mercado.

O site recebe cerca de 4,5 milhões de utilizadores e aplicação para telemóvel foi removida do Google Play, pelo que não é possível obter informação sobre o número de instalações.

Sendo uma aplicação nativa do espaço mobile, parece-me justo supor que os número será superior a 10 milhões.

A plataforma parece estar em trajetória ascendente, apesar da pressão a que tem sido sujeita.

Muito interessante acompanhar o futuro, em particular os desafios relacionados com financiamento e monetização.

Dissenter

A Dissenter é daquelas inovações tecnológicas que, mais do que brilhantes, parecem óbvias. Mas só depois de serem inventadas…

Trata-se de um plugin, compatível com a maior parte dos browsers, que abre uma secção de comentários e discussão externa, agregada a qualquer site da internet.

Ou seja, estamos a discutir e a comentar a internet, num outro espaço novo, externo ao site que serve de pano de fundo.

Esta nova rede social é da responsabilidade da mesma empresa que lidera a Gab, e construída para defender os mesmos ideais de liberdade de expressão no espaço digital.

É difícil estimar o número de instalações, em função de o plugin estar a ser boicotado por Chrome e Firefox, em função da imprensa negativa que tem gerado.

No entanto, a inovação tecnológica por si só é suficiente para para merecer uma menção nesta lista.

Spreely

O nome desta rede social é a junção das palavras “Speak” e “Freely”.

O projeto surge em reação à problemática da censura na internet, um assunto extremamente atual, com as maiores plataformas do mercado a serem alvo de muitas críticas.

Em relação à estética e ao funcionamento da rede, as semelhanças com o Facebook são óbvias.

Terá sido colocada online algures em 2018 e dos seus criadores sabe-se muito pouco.

Apesar de inicialmente ter gerado bastante interesse, esta nova rede social parece estar em trajetória descendente.

O site recebe cerca de 150 mil visitas por mês e aplicação android tem cerca de 5 mil instalações no Google Play.

Ainda assim, vale a pena estar atento ao futuro da Freely, que depende de vários fatores externos e das movimentações de muitos outros players do mercado.

Quanto dinheiro posso ganhar ao investir numa nova rede social?

Photo by Markus Spiske on Unsplash

Em função da premissa deste artigo, acho que este exercício é interessante.

Vamos olhar para os casos mais óbvios e perceber que tipo de mais valia podia ter sido gerada por qualquer um de nós, se tivéssemos investido nas ações destas redes sociais.

Atenção:

Esta matemática deve ser encarada apenas como um exercício de pensamento.

Investir em bolsa exige uma análise muito mais detalhada e uma simples análise do histórico das ações destas empresas demonstra que, em alguns casos, as coisas não são tão simples.

No entanto, ter predisposição para investir e estar atento às várias oportunidades para o fazer, na minha opinião, é algo positivo.

Google

O maior motor de busca do mundo nasceu a 4 de Setembro de 1998.

A empresa estrou-se na bolsa a 19 de Agosto de 2004.

Nessa altura, o Google coloca 19 milhões de ações no mercado, a 85 dólares por ação.

As ações valem neste momento cerca de 1166 dólares.

Ou seja, o lucro por ação é cerca 1081 dólares.

Com um investimento de 510 dólares em 6 ações, o lucro seria de 6486 dólares.

Facebook

O Facebook foi colocado online em Fevereiro de 2004.

A estreia da empresa na bolsa acontece a 18 de Maio de 2012.

Nessa altura, o Facebook coloca 421 milhões de ações no mercado, a 38 dólares por ação.

As ações valem neste momento cerca de 192 dólares.

Ou seja, o lucro por ação é cerca de 154 dólares.

Com um investimento de 494 dólares em 13 ações, o lucro seria de 2002 dólares.

Twitter

O primeiro tweet foi publicado em 21 de Março de 2006.

A empresa foi listada na bolsa em 7 de Novembro de 2013.

Nessa altura, o Twitter colocou 70 milhões de ações no mercado, a 26 dólares por ação.

As ações valem neste momento cerca de 40 dólares.

Ou seja, o lucro por ação é cerca de 14 dólares.

Com um investimento de 494 dólares em 19 ações, o lucro seria de 266 dólares.

Snapchat

A empresa foi fundada em 16 de Setembro de 2011.

A estreia na bolsa aconteceu em 2 de Março de 2017.

Nessa altura, o Snapchat lançou 200 milhões de ações no mercado, a 17 dólares por ação.

Neste momento, as ações valem cerca de 11 dólares.

Ou seja, isto representa uma perda de 6 dólares por ação.

Com um investimento de 493 dólares em 29 ações, as perdas seriam de 174 dólares.

LinkedIn

O LinkedIn foi lançado no final de 2002.

Em 13 de Junho de 2016, a rede social é comprada e passa a fazer parte da Microsoft.

Se, nessa altura, tivesse comprado ações da Microsoft, elas valiam cerca de 60 dólares.

Neste momento, valem cerca de 126 dólares.

Ou seja, isto representa um lucro de 66 dólares por ação.

Se o investimento fosse de 480 dólares, em 8 ações, o lucro seria de 528 dólares.

Twitch

O Twitch foi lançado em Junho de 2011.

Em 25 de Agosto de 2014, a rede social é comprada e passa a fazer parte da Amazon.

Se, nessa altura, tivesse comprado ações da Amazon, elas valiam cerca de 330 dólares.

Neste momento, valem cerca de 1900 dólares.

Ou seja, isto representa um lucro de 1570 dólares por ação.

Se o investimento fosse de 660 dólares, em 2 ações, o lucro seria de 3140 dólares.

Obrigado por visitar
O Blog do Empreendedor!

Se tiver alguma dúvida, sugestão, correção a fazer, ou caso queira entrar em contacto, seja por que motivo for, envie-me uma mensagem.

Qual é a melhor app para ganhar bitcoin? Os resultados não enganam…

Junte algum dinheiro com uma app para ganhar bitcoin!
Image by WorldSpectrum on Pixabay

Está a tentar encontrar uma app para ganhar bitcoin?

Infelizmente, é difícil distinguir as que valem a pena das que são um desperdício de tempo.

E foi por isso que eu criei este artigo para o ajudar 🙂

Não vai ficar rico mas, se tiver um telemóvel a mais e algum tempo livre, pode ganhar dinheiro extra para o ajudar a pagar as contas de casa ou investir.

Antes de começar, deixe-me dar-lhe algumas sugestões:

  • Não use o seu telemóvel do dia-a-dia.

Para o utilizador comum, é quase impossível saber como funciona o código atrás da aplicação.

A maior parte delas são perfeitamente seguras mas, hoje em dia, convém não facilitar e garantir que os seus dados pessoais estão seguros.

  • Tenha paciência.

Vai ser preciso usar as aplicações diariamente e dar algum tempo até ver dinheiro a cair na sua conta.

  • Não tente enganar os programadores.

Vai acabar por ser banido se criar contas falsas, não visualizar os anúncios, etc.

[adinserter block=”2″]

Qual é a melhor app para ganhar bitcoin?

Eu procuro aplicações que:

  • Pagam o máximo possível.
  • Exigem pouco esforço.
  • Têm um limite baixo para levantar o saldo.
  • Permitem transferir o saldo para qualquer wallet.

Normalmente, dou uma vista de olhos à opinião de outros utilizadores mas as reviews enganam bastante.

Vamos à lista!

App #1

Uma app para ganhar bitcoin desenvolvida por myfavoritedev.
  • 4.4 estrelas
  • 374 reviews
  • + de 1000 instalações

Sem margem para qualquer dúvida, esta é a melhor app para ganhar bitcoin desta lista.

Ela faz mineração enquanto o seu telemóvel está ligado e basta fechar alguns anúncios de vez em quando para a manter a funcionar.

Se quiser ganhar mais, a cada 30 minutos pode ver um pequeno vídeo e receberá 300 satoshi.

Assim que tiver 0,005 BTC (cerca de 19 dólares) pode transferir os fundos para qualquer wallet à sua escolha.

Carregue aqui para descarregar a aplicação.

Use o código 3OL4WK para receber um bónus de 500 satoshi.

App #2

  • 4.5 estrelas
  • + de 6000 reviews
  • + de 10000 instalações

Outra aplicação que mina bitcoin enquanto o seu telemóvel está ligado.

Por qualquer motivo, apesar de ser desenvolvida por uma empresa diferente, o design é muito semelhante ao da app anterior…

Aqui, também basta fechar alguns anúncios de vez em quando para a manter a funcionar.

Assim que acumular 0,005 BTC (cerca de 19 dólares) é possível transferir os fundos para qualquer wallet à sua escolha.

Carregue aqui para descarregar a aplicação.

Use o código IONC7T para receber um bónus de 500 satoshi.

App #3


  • 4.4 estrelas
  • + de 3000 reviews
  • + de 100000 instalações

Mais uma aplicação para minar bitcoin em pano de fundo, em que basta fechar alguns anúncios de vez em quando.

Aqui, assim que acumular 0,0025 BTC (cerca de 9 dólares) pode transferir os fundos para qualquer wallet à sua escolha.

Carregue aqui para descarregar a aplicação.

Use o código UPLFOI1S para aumentar a sua velocidade de mineração em 50 MegaH/seg.

App #4

  • 4.4 estrelas
  • 475 reviews
  • + de 1000 instalações

A última aplicação desta lista que serve para minar bitcoin enquanto o seu telemóvel está ligado.

Mais uma vez, é curioso que tenha um design muito semelhante às duas primeiras…

Basta fechar alguns anúncios de vez em quando e pode transferir o saldo para qualquer wallet à sua escolha assim que acumular 0,005 BTC (cerca de 19 dólares).

Carregue aqui para descarregar a aplicação.

Use o código LSQFYP para receber um bónus de 500 satoshi.

App #5

  • 4.2 estrelas
  • + de 17000 reviews
  • + de 500000 instalações

Esta app para ganhar bitcoin faz parte da Claim Bitcoin Network.

O que ganhar nas aplicações desta rede acumula num saldo comum.

Ela sorteia prémios a cada 15 minutos e pode ganhar mais de 100 satoshi de cada vez.

Como é óbvio, é preciso fechar a quantidade normal de anúncios.

Assim que acumular 0,0004 BTC (cerca de 1,5 dólares) é possível transferir o saldo para qualquer wallet à sua escolha.

Carregue aqui para descarregar a aplicação.

Use o código EgVINr e receba um bónus de 1000 satoshi.

App #6

  • 4.1 estrelas
  • + de 4000 reviews
  • + de 100000 instalações

Outra aplicação que faz parte da Claim Bitcoin Network.

Pense nela como a roda da sorte da bitcoin.

De 15 em 15 minutos pode tentar a sua sorte e receber mais de 100 satoshi de cada vez.

Assim que acumular 0,0004 BTC (cerca de 1,5 dólares) é possível transferir o saldo para qualquer wallet à sua escolha.

Carregue aqui para descarregar a aplicação.

Use o código EgVINr e receba um bónus de 1000 satoshi.

App #7

  • 4.4 estrelas
  • + de 15000 reviews
  • + de 100000 instalações

Esta aplicação sorteia prémios de 15 em 15 minutos, que vão dos 50 aos 5000 satoshi.

Esta app para ganhar bitcoin ocupa o último lugar desta lista, uma vez que o saldo demora um pouco a acumular e a app é um pouco lenta.

É possível transferir os fundos para qualquer wallet à sua escolha assim que acumular 0,00032 BTC (cerca de 1,2 dólares).

Carregue aqui para descarregar a aplicação.

Use o código nvc209 para receber um bónus de 100 satoshi.

Obrigado por visitar
O Blog do Empreendedor!

Se conhecer alguma app para ganhar bitcoin que devia constar desta lista, por favor, comente e partilhe!

Se tiver alguma dúvida, sugestão, correção a fazer, ou caso queira entrar em contacto, seja por que motivo for, envie-me uma mensagem.

[adinserter block=”1″]

As criptomoedas mais valorizadas de 2018: Saiba onde deve investir!

Pronto para conhecer as criptomoedas mais valorizadas e as criptomoedas mais baratas?

Imagem principal: Photo by Andre Francois on Unsplash

Este artigo inclui:

  • Alguns conceitos importantes para perceber o valor de mercado.
  • Uma lista das 10 criptomoedas mais valorizadas.
  • Uma lista das 10 criptomoedas mais baratas.
  • Uma apresentação breve de cada uma das moedas digitais.
  • A preço ao longo dos anos de cada uma das moedas digitais.

Nota: Eu atualizei a informação deste artigo pela última vez em 27 de Julho de 2018.

Obrigado por visitar O Blog do Empreendedor!

Se tiver alguma dúvida, sugestão, correção a fazer, ou caso queira entrar em contacto, seja por que motivo for, envie-me uma mensagem!

[adinserter block=”2″]

As criptomoedas mais valorizadas e as criptomoedas mais baratas

criptomoedas mais valorizadas
Original: By Tomás Del Coro from Las Vegas, Nevada, USA [CC BY-SA 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)], via Wikimedia Commons

Vamos começar por olhar para um conceitos importante para compreender o valor de mercado: a capitalização de mercado.

Este conceito é importante porque “valor” pode significar duas coisas diferentes.

Qual você acha mais importante?

  1. O valor da unidade de determinada criptomoeda?
  2. Ou o valor da soma de todas as unidades em circulação?

Escolheu a segunda opção?

Capitalização de mercado, ou market cap em Inglês, significa isso mesmo…

O valor de todas as unidades de determinada criptomoeda que existem no mercado.

Mas a capitalização de mercado é importante porquê?

Bem, este conceito é especialmente importante quando falamos das criptomoedas mais valorizadas.

Quando a capitalização de mercado é elevada sabemos que:

  • Existe um elevado grau de confiança dos investidores em relação ao futuro da moeda/tecnologia.
  • Existe muito dinheiro investido na moeda/tecnologia.
  • Existe muita procura e liquidez.

De forma muito simplista, podemos dizer que:

  • A capitalização de mercado será mais importante para estratégias a longo prazo.
  • O valor unitário será mais importante para estratégias a curto prazo.

Aviso: Eu não faço trading de criptomoedas!

Nenhuma da informação deste artigo deve ser entendida como aconselhamento financeiro.

As criptomoedas são ativos extremamente voláteis.

Faça a pesquisa necessária antes de investir o seu dinheiro e invista com prudência e ponderação.

As 10 criptomoedas mais valorizadas

(ordenadas por capitalização de mercado)

bitcoin

#1 Bitcoin (BTC)

Capitalização de mercado: $136,113,144,992

Valor por unidade: $7 925,72

Unidades em circulação: 17 173 600

Site: bitcoin.org

A criptomoeda original, quase dispensa apresentações.

Foi colocada em circulação em Janeiro de 2009.

Da identidade do seu criador conhece-se apenas o pseudónimo, Satoshi Nakamoto.

É programada em C++ e o tokin atingiu valor recorde de $19,694.68 em 17 de Dezembro de 2017.

Dificilmente alguma vez abandonará a lista das criptomoedas mais valorizadas.

Queres consultar uma timeline detalhada da história da Bitcoin? Clica aqui!

ethereum

#2 Ethereum (ETH)

Capitalização de mercado: $46 615 160 093

Valor por unidade: $461,78

Unidades em circulação: 100 946 903

Site: ethereum.org

O #2 da lista das criptomoedas mais valorizadas é um projeto com apenas 3 anos de vida!

Ela foi criada em Julho de 2015 por Vitalik Buterin, um programador Russo que trabalhava no código da Bitcoin.

Esta criptomoeda é gerida como uma empresa, e os utilizadores sabem perfeitamente quem são as principais figuras por detrás do projeto.

É programada em Javascript.

Muito mais do que uma moeda digital, a rede Ethereum é um sistema em cima do qual novas aplicações podem ser criadas, com a capacidade de executar contratos inteligentes.

ripple

#3 Ripple (XRP)

Capitalização de mercado: $17 609 101 472

Valor por unidade: $0,447890

Unidades em circulação: 39 315 683 476

Site: ripple.com

A Ripple foi criada em 2012 por Chris Larsen e Jed McCaleb.

Tal como a Etheruem, também é uma empresa cujas principais figuras são publicamente conhecidas.

Tem trabalhado de forma próxima com grandes bancos mundiais, que têm adoptado a tecnologia de forma poder oferecer transações mais rápidas e baratas.

Não é possível minar esta moeda digital.

bitcoin cash

#4 Bitcoin Cash (BCH)

Capitalização de mercado: $13 794 134 869

Valor por unidade: $799,22

Unidades em circulação: 17 259 475

Site: bitcoincash.org

A Bitcoin Cash foi criada em 1 de Agosto de 2015.

Ela resulta de uma alteração ao código da Bitcoin original, ou um hard fork, do qual resultou um blockchain novo.

Quase como um ramo que nasce do tronco de uma árvore.

Os problemas de escalabilidade da Bitcoin original dividiram a comunidade de utilizadores, o que acabou por resultar na criação desta nova criptomoeda.

eos

#5 EOS (EOS)

Capitalização de mercado: $7 372 388 873

Valor por unidade: $8,23

Unidades em circulação: 896 149 492

Site: eos.io

A EOS foi criada em 31 de Julho de 2018.

Tal como a Bitcoin original, é programada em C++.

Por outro lado, tal como a Ethereum, grande parte do valor da tecnologia prende-se com o facto de poder executar os chamados contratos inteligentes.

Por último, tal como a Ripple, não é possível minar esta moeda digital.

stellar

#6 Stellar (XLM)

Capitalização de mercado: $5 705 589 401

Valor por unidade: $0,304016

Unidades em circulação: 18 767 398 429

Site: stellar.org

Criada em 8 de Abril de 2015, a Stellar está para a Ripple como a Bitcoin Cash está para a Bitcoin original.

Apesar de ter redesenhado totalmente o seu código, inicialmente ela era uma alteração ao código original da Ripple.

Também é desenhada para permitir às instituições financeiras movimentar fundos de forma mais rápida e barata.

Não é possível miná-la.

litecoin

#7 Litecoin (LTC)

Capitalização de mercado: $4 774 519 843

Valor por unidade: $82,91

Unidades em circulação: 57 588 307

Site: litecoin.org

Criada em 7 de Outubro de 2011, a Litecoin tem a distinção de ser essencialmente a segunda criptomoeda do mundo.

Uma das mais antigas, tem mantido o seu lugar de destaque na lista das criptomoedas mais valorizadas.

Em termos tecnológicos, é quase uma cópia da Bitcoin original com ligeiras diferenças e upgrades.

Conceptualmente, a Litecoin pretende estar para a Bitcoin como a prata está para o ouro.

cardano

#8 Cardano (ADA)

Capitalização de mercado: $4 212 915 619

Valor por unidade: $0,162491

Unidades em circulação: 25 927 070 538

Site: cardano.org

A Cardano começou a ser desenvolvida em 2015, tendo sido lançada em 29 de Setembro de 2017.

Nasce da visão de Charles Hoskinson, um dos co-fundadores da Ethereum.

A Cardano pretende ser uma criptomoeda de terceira geração, e resolver muitos dos problemas que têm impedido a evolução das moedas digitais.

Não é possível minar e é programada em Haskell.

iota

#9 IOTA (MIOTA)

Capitalização de mercado: $2 761 677 360

Valor por unidade: $0,993577

Unidades em circulação: 2 779 530 283

Site: iota.org

De forma semelhante à Cardano, a IOTA foi um projeto que começou a ser desenvolvido em 2015, acabando por ser lançado em Junho de 2017.

A IOTA não funciona num Blockchain e não é possível minar.

Em vez disso, esta moeda digital funciona no chamado Tangle.

Este novo modelo visa resolver os problemas de rapidez e taxas que têm impedido outras moedas digitais de evoluir.

tether

#10 Tether (USDT)

Capitalização de mercado: $2 502 469 543

Valor por unidade: $0,998137

Unidades em circulação: 2 507 140 346

Site: tether.to

A Tether é, provavelmente, a criptomoeda mais controversa….

O projeto começou a ser desenvolvido em Julho de 2014 e as corretoras iniciam a negociação desta moeda em 25 de Fevereiro de 2015.

Foi criada por Brock Pierce, na altura com o nome Realcoin, mas hoje a empresa Tether Limited pertence à iFinex, grupo que gere uma das maiores corretores de criptomoedas – a Bitfinex.

A Tether tem uma característica invulgar para uma criptomoeda – o seu valor está indexado ao valor do dólar.

Ou seja, em teoria, 1 Tether vale sempre 1 dólar.

Isto também significa, em teoria, que a Tether Limited deve ter contas bancárias com reservas de dólar iguais à sua capitalização de mercado, ou seja, cerca de dois biliões e meio de dólares.

A emissão de Tether acelerou-se quando a Bitfinex perdeu a sua relação com a Wells Fargo e ficou sem acesso às suas maiores contas bancárias na Tailândia.

A moeda digital permite que a corretora funcione sem ter contacto direto com os bancos no momento de trocar em dólar, com a vantagem de reduzir o pagamento de taxas.

A Bitfinex tem sido alvo de muitas críticas e escrutínio nos ultimos 2 anos.

A moeda não é minável, sendo emitida à descrição da Tether Limited.

Original: By Hyena and thecryptokidd (https://forum.bitcoin.com/post170370.html#p170370) [CC0], via Wikimedia Commons

As 10 criptomoedas mais valorizadas

(ordenadas por valor de token)

bit20

#1 Bit20 (BTWTY)

Valor por unidade: $296 068

Capitalização de mercado: $300 805

Unidades em circulação: 1

Site: bittwenty.com

Nesta lista das criptomoedas mais valorizadas, a Bit20 é provavelmente a moeda digital mais invulgar, pois só podemos falar dela no singular…

Existe apenas 1 token a circular no mercado!

Como um fundo de investimento, ela é na verdade um portefólio composto por 20 criptomoedas diferentes.

Os utilizadores podem comprar uma fração do único token existente e lucrar com a valorização do agregado das 20 criptomoedas do portefólio.

A moeda funciona no blockchain Bitshares, cuja criptomoeda nativa é o bitUSD.

Ou seja, os utilizadores têm que comprar bitUSD, e só depois podem aceder ao mercado de Bit20.

Naturalmente, esta moeda não é minável.

project-x

#2 Project-X (NANOX)

Valor por unidade: $55 428,80

Capitalização de mercado: $4 338

Unidades em circulação: 0,07826400

Site: N/A

Esta moeda foi introduzida no mercado a 30 de Maio de 2017.

Ela usa tecnologia blockchain, muito semelhante à Bitcoin e Ethereum.

A Project-X não tem site ou página nas redes sociais, e é muito difícil encontrar informação nos vários sites dedicados às criptomoedas.

Não é minável.

42coin

#3 42-coin (42)

Valor por unidade: $24 531,80

Capitalização de mercado: $1 030 335

Unidades em circulação: 42

Site: 42-coin.org

A 42-coin é outro projeto curioso.

A moeda digital explora a lei da oferta e procura, no sentido em que existem apenas 42 moedas em circulação.

Por outro lado, a forma como o código foi desenvolvido impede que a mineração seja monopolizada por grandes grupos, algo que tem acontecido em algumas das criptomoedas mais populares, como a Bitcoin.

Do criador conhecemos apenas o pseudónimo – Hendo.

bitshares

#4 bitBTC (BITBTC)

Valor por unidade: $7 941,21

Capitalização de mercado: $405 133

Unidades em circulação: 51

Site: bitshares.org

O modelo deste projeto é provavelmente o mais difícil de compreender, de todos os desta lista das criptomoedas mais valorizadas.

Ajuda ter algum conhecimento sobre a tecnologia blockchain e o investimento em contratos derivativos.

Vamos começar pelo início…

O bitBTC é um dos vários bitAssets criados pela BitShares.

A BitShares é uma empresa que permite a troca de moeda digital através da tecnologia blockchain, sem que uma corretora sirva de intermediário.

Para isso, é necessário ter saldo de BitShares (BTS) – a criptomoeda da emprea.

Essa criptomoeda pode depois ser ser dada como garantia para adquirir um dos seguintes bitAssets:

  • bitBTC
  • bitUSD
  • bitEUR
  • bitCNY
  • bitGOLD
  • bitSILVER
  • bitOIL

O bitBTC é uma moeda digital indexada ao valor da Bitcoin, tal como o Tether é indexado ao valor do dólar.

Da mesma forma, os outros são indexados ao valor dos ativos subjacentes – o valor do dólar, euro, yen, ouro, prata e petróleo.

Estas smartcoins têm sempre uma garantia de 200% ou mais do mesmo valor em BitShares (BTS).

Este ecossistema, em teoria, permite que as transações sejam feitas de forma descentralizada, anónima, mais rápida e barata, com acesso aos preços das maiores moedas e matérias primas do mercado.

bitcoin

#5 Bitcoin (BTC)

Valor por unidade: $7 925,72

Capitalização de mercado: $136 113 144 992

Unidades em circulação: 17 173 600

Site: bitcoin.org

A Bitcoin original continua a ser um dos tokens mais caros do mercado!

russian miner coin

#6 Russian Miner Coin (RMC)

Valor por unidade: $6 048,21

Capitalização de mercado: $9 114 652

Unidades em circulação: 1507

Site:

A Russian Miner Coin foi criada para combater o monopólio dos mineiros Chineses.

A empresa lançou uma ICO (initial coin offering ou oferta inicial de moeda) na qual pretendia gerar fundos no valor de 100 milhões de dólares.

O objetivo era desenvolver tecnologia de mineração mais eficiente, e espalhá-la pelo território Russo.

Os interessados podiam comprar o token com Bitcoin, Ethereum, Dólares ou Rublos.

Em troca recebiam uma percentagem dos fundos optidos pelo grupo de mineração, bem como a possibilidade de obter os novos processadores de mineração desenvolvidos pela empresa.

A ICO conseguiu gerar 42 milhões de dólares, e a empresa iniciou os trabalhos.

primalbase token

#7 Primalbase Token (PBT)

Valor por unidade: $3 188,45

Capitalização de mercado: $3 985 563

Unidades em circulação: 1250

Site:

Esta criptomoeda foi criada para monetizar espaços de co-working para empresas.

O primeiro espaço a abrir porta está localizado na cidade de Amsterdão.

A empresa tem planos para escalar o projeto para Londres, Berlim, Nova Iorque, Hong Kong e Singapura.

Ao comprar o token, os utilizadores estão a investir em imobiliário e a beneficiar do acesso às instalações e networking.

idex membership

#8 IDEX Membership (IDXM)

Valor por unidade: $2 293,19

Capitalização de mercado: $4 586 380

Unidades em circulação: 2000

Site:

A IDEX Membership é uma aplicação descentralizada a correr no blockchain Ethereum.

Consite numa plataforma de trading, semelhante à BitShares, onde as transações são mais rápidas, baratas, anónimas em sem o risco associado a intermediários.

bitshares

#9 BitGold (BITGOLD)

Valor por unidade: $1 358,32

Capitalização de mercado: $257 381

Unidades em circulação: 189

Site:

Já falamos da BitShares… (Consulta o bitBTC na posição #4)

Tal como o bitBTC está indexado ao valor da Bitcoin, o bitGOLD está indexado ao valor do ouro.

bitcoin cash

#10 Bitcoin Cash (BCH)

Valor por unidade: $799,22

Capitalização de mercado: $13 794 134 869

Unidades em circulação: 17 259 475

Site:

Esta descendente da Bitcoin original mantêm a posição #10 na lista das criptomoedas mais valorizadas!

Original: By Paul Sableman (Bitcoins for College Please) [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)], via Wikimedia Commons

A parte debaixo desta lista tem movimentos diários e está constantemente a mudar.

Por esse motivo, é impossível para mim gastar tempo a pesquisar os vários projetos. para que depois os possa explicar ao leitor.

Muitos destes projetos são experiências, e a informação é difícil, ou impossível, de encontrar.

As 10 criptomoedas mais baratas

(ordenadas por capitalização de mercado)

poli ai

#1 POLY AI (AI)

Capitalização de mercado: $361

Valor por unidade: $0,000158

Unidades em circulação: 2 281 981

Site:

tristar coin

#2 Tristar Coin (TSTR)

Capitalização de mercado: $1 593

Valor por unidade: $0,000317

Unidades em circulação: 5 027 857

Site:

levoplus

#3 LevoPlus (LVPS)

Capitalização de mercado: $2 276

Valor por unidade: $0,001109

Unidades em circulação: 2 052 712

Site:

vault coin

#4 Vault Coin (VLTC)

Capitalização de mercado: $2 406

Valor por unidade: $0,000079

Unidades em circulação: 30 385 540

Site:

ulatch

#5 Ulatech (ULA)

Capitalização de mercado: $2 423

Valor por unidade: $0,011364

Unidades em circulação: 213 187

Site:

harmonycoin

#6 HarmonyCoin (HMC)

Capitalização de mercado: $3 032

Valor por unidade: $0,005402

Unidades em circulação: 561 235

Site:

crevacoin

#7 CrevaCoin (CREVA)

Capitalização de mercado: $3 037

Valor por unidade: $0,000083

Unidades em circulação: 36 390 750

Site:

artex coin

#8 Artex Coin (ATX)

Capitalização de mercado: $3 124

Valor por unidade: $0,000166

Unidades em circulação: 18 781 750

Site:

women coin

#9 WomenCoin (WOMEN)

Capitalização de mercado: $3 502

Valor por unidade: $0,000079

Unidades em circulação: 44 220 400

Site:

coimatic 3

#10 Coimatic 3.0 (CTIC3)

Capitalização de mercado: $4 091

Valor por unidade: $0,001810

Unidades em circulação: 2 259 512

Site:

As 10 criptomoedas mais baratas

(ordenadas por valor da unidade)

808coin

#1 808Coin (808)

Valor por unidade: $0,000005

Capitalização de mercado: $1 009 965

Unidades em circulação: 205 690 137 385

Site:

dix asset

#2 Dix Asset (DIX)

Valor por unidade: $0,000005

Capitalização de mercado: $493 971

Unidades em circulação: 100 000 000 000

Site:

gcn coin

#3 GCN Coin (GCN)

Valor por unidade: $0,000007

Capitalização de mercado: $1 093 979

Unidades em circulação: 158 932 160 000

Site:

virtacoin

#4 Virtacoin (VTA)

Valor por unidade: $0,000008

Capitalização de mercado: $43 118

Unidades em circulação: 5 201 310 113

Site:

fitrova

#5 Fitrova (FRV)

Valor por unidade: $0,000010

Capitalização de mercado: $71 763

Unidades em circulação: 7 520 804 853

Site:

fedoracoin

#6 FedoraCoin (TIPS)

Valor por unidade: $0,000010

Capitalização de mercado: $2 049 107

Unidades em circulação: 212 269 865 434

Site:

smiley coin

#7 SmileyCoin

Valor por unidade: $0,000017

Capitalização de mercado: $431 015

Unidades em circulação: 25 960 250 000

Site:

bunnycoin

#8 BunnyCoin

Valor por unidade: $0,000017

Capitalização de mercado: $1 789 086

Unidades em circulação: 103 036 607 564

Site:

the cypherfunks

#9 The Cypherfunks

Valor por unidade: $0,000018

Capitalização de mercado: $880 276

Unidades em circulação: 48 267 094 999

Site:

dimecoin

#10 Dimecoin

Valor por unidade: $0,000029

Capitalização de mercado: $15 650 949

Unidades em circulação: 539 096 740 560

Site:

Obrigado por visitar O Blog do Empreendedor e esta lista das criptomoedas mais valorizadas e das criptomoedas mais baratas!

Como apostar no Placard – Guia do rookie das apostas desportivas

como apostar no placard

Quer saber como apostar no placard para dar os primeiros passos no mundo das apostas desportivas e tentar ganhar algum dinheiro extra?

Espero que este artigo lhe seja útil!

Imagem principal:

By Baishampayan Ghose (https://www.flickr.com/photos/ghoseb/5186138071/) [CC BY-SA 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)], via Wikimedia Commons

Vai aprender neste artigo:

  1. Como usar o site e a app.
  2. Quais os desportos disponíveis no Placard.
  3. Os diferentes tipos de apostas que é possível fazer.
  4. Como ler as odds.
  5. Como preencher o beletim.

Nota: Eu atualizei a informação deste artigo pela última vez em 19 de Agosto de 2018.

Obrigado por visitar O Blog do Empreendedor!


Se tiver alguma dúvida, sugestão, correção a fazer, ou caso queira entrar em contacto, seja por que motivo for, envie-me uma mensagem!

[adinserter block=”2″]

Como apostar no Placard – Guia do rookie das apostas desportivas

festejar o golo
Original: By Danny Molyneux (Flickr: Celebrations after Liverpool’s first) [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)], via Wikimedia Commons

1. O site Placard.pt e a app para telemóvel

Em nenhuma das plataformas é necessário criar registo.

Existem algumas secções para explorar, mas o que o utilizador efetivamente vai fazer é:

  • Consultar a lista de eventos
  • Escolher o vencedor de determinado jogo
  • Escolher o tipo e simular a aposta
  • Simular o bilhete para preencher em balcão
  • Gerar um QR code para apostar de forma automática
Como apostar no Placard: O site
Como apostar no Placard: A app

2. Os vários tipos de desportos disponíveis:

Os utilizadores podem fazer apostas nos seguintes desportos:

  • Futebol
  • Ténis
  • Basquetebol
  • Andebol
  • Voleibol
  • Hóquei no gelo
  • Râguebi
  • Futsal
  • Futebol Americano
  • Futebol de praia

3. Os diferentes tipos de apostas

Os utilizadores podem escolher entre:

  • Apostas simples
  • Apostas combinadas
  • Apostas múltiplas

Quais as diferenças entre estes três tipos de apostas?

Simples:

Por exemplo, apostar na vitória do Manchester United.

Se o Manchester United ganhar, o apostador ganha.

Combinadas:

Por exemplo, apostar na vitória do Manchester United, do Barcelona e do Bayern Munich.

Se cada um destes clubes ganhar o seu jogos, e apenas se todos ganharem, o apostador ganha.

Múltiplas:

Por exemplo, apostar na vitória do Manchester United, do Barcelona e do Bayern Munich.

Se 2 destes 3 clubes ganhar, o apostador ganha.

4. Como ler as odds

Saber como apostar no placard passa principalmente por saber ler as odds…

Vamos olhar para o seguinte exemplo.

Como apostar no Placard: Ler as odds

Ainda que existam outros tipos diferentes de expressar odds, no placard só vão encontra esta.

Cenário 1:

Se o apostador investir €1 na vitória do Fortaleza-CE e o clube ganhar, os ganhos possíveis são €0.42.

Cenário 2:

Se o apostador investir €1 no empate e os clubes empatarem, os ganhos possíveis são €2.19.

Cenário 3:

Se o apostador investir €1 na vitória do Brasil Pelotas e o clube ganhar, os ganhos possíveis são €4.56.

Ou seja,

No caso de uma aposta de €1, basta calcular: odd – 1.

Com apostas maiores, é necessário aplicar a seguinte fórmula para calcular possíveis ganhos:

aposta * (odd – 1).

Por exemplo, se apostarmos €5 no Brasil Pelotas: €5 * (5.56 – 1) = €22.3

No caso de apostas combinadas ou múltiplas, o cálculo é mais complexo.

Aconselho utilizar o simulador do placard.

No entanto, é importante ter em atenção que o placard não retira o valor da vossa aposta quando mostra os ganhos possíveis, conforme a seguinte foto:

Como apostar no Placard: Ganhos possíveis

5. Como preecher o boletim

Os boletins são compostos por quatro campos:

1. Escolher o tipo de aposta
2. Escolher o montante da aposta
3. Preencher o código do evento
4. Escolher o prognóstico

Como apostar no Placard: O boletim

Os dois primeiros dispensam explicação.

No caso do código do evento, se o código for 228, o apostador deve colocar X nos números 200, no 20 e no 8, conforme a foto acima.

Em relação ao prognóstico, as siglas significam:

TR – Tempo Regulamentar
INT – Intervalo
DV – Desvantagem
1 – Vitória do clube com odd mais baixa
X – Empate
2 – Vitória do clube com a odd mais baixa

Alguns eventos permitem outros tipos de apostas.

Na maior parte dos casos, esses só são possíveis com a utilização do QR code.

Se tiveres alguma dúvida, sugestão, correção a fazer, ou caso queiras entrar em contacto, seja por que motivo for, envia-me uma mensagem!

Agora que sabe como apostar no placard, carregue aqui para começar a ganhar.

alternativas ao paypal

Alternativas ao Paypal para esticar o seu dinheiro na Internet!

Está à procura de alternativas ao Paypal para enviar, receber dinheiro ou fazer compras na internet com taxas mais reduzidas?

Então, espero que este artigo lhe seja útil!

Imagem principal:

By Sagar Savla [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], from Wikimedia Commons

Neste artigo vai aprender:

  1. Quais são as 10 melhores alternativas ao Paypal.
  2. Em que casos específicos deve usar cada uma destas alternativas ao Paypal.

Nota: Eu atualizei a informação deste artigo pela última vez em 22 de Agosto de 2018.

Obrigado por visitar O Blog do Empreendedor!


Se tiver alguma dúvida, sugestão, correção a fazer, ou caso queira entrar em contacto, seja por que motivo for, envie-me uma mensagem!

[adinserter block=”2″]

Alternativas ao Paypal para negócios, investimentos e compras!

Nota: Algumas destas alternativas ao Paypal têm muitas outras funções, das quais não vou falar neste artigo…

Este artigo é apenas sobre enviar, receber dinheiro e fazer compras na internet.

#1 Bitcoin

Ir para o site!

🇵🇹 ✔️          🇧🇷 ✔️

Na verdade, o primeiro lugar pertence às criptomoedas e à tecnologia blockchain!

Mas o subtítulo fica melhor assim 🙂

Vamos usar a Bitcoin como exemplo e olhar para a média das taxas e tempo de processamento de uma transação…

Nota: Calcular o valor de uma transação de Bitcoin não é assim tão simples.

Mais uma vez, o que aqui vou apresentar são valores médios!

Taxas:

Nos últimos três meses, o valor médio da taxa de uma transação Bitcoin ronda os 0.70 dólares.

Ou seja, cerca de 61 cêntimos ou 2.7 reais.

Já o valor médio de uma transação ronda uns incríveis 35 mil dólares!

Ou seja, cerca de 30 mil euros ou 137 mil reais.

Estamos perante uma taxa de 0.002%!

Fonte: bitinfocharts.com

Tempo de processamento:

Nos últimos dois meses, a média são 20 minutos.

Fonte: blockchain.com

Nota: As outras criptomoedas com mais expressão no mercado são igualmente impressionantes, e em alguns casos ainda mais competitivas!

Em que casos devo usar?

Para enviar dinheiro, só quando a outra parte envolvida é 100% de confiança.

Assim que uma transação Bitcoin for executada os fundos deixam de lhe pertencer.

Para fazer pagamentos, sempre que uma loja 100% de confiança o aceitar.

Infelizmente, ainda são poucas as que aceitam…

Alternativas ao Paypal: MB WAY

#2 MB WAY

Ir para o site!

🇵🇹 ✔️          🇧🇷 ❌ 

O MB WAY é uma app para telemóvel.

Foi lançado a 12 de Outubro de 2015, pela SIBS, e veio substituir o antigo MB NET.

Funcionalidades que merecem destaque:

  • Criar cartões virtuais.
  • Transferências entre utilizadores MB WAY.

O serviço está disponível para utilizadores dos seguintes bancos:

  • Activo Bank
  • Banco Atlântico Europa
  • Banco CTT
  • Bankinter
  • BBVA
  • Banco Best
  • Banco BiG
  • BPI
  • Caixa de Crédito de Leiria
  • CGD
  • CEMAH
  • Crédito Agrícola
  • EuroBic
  • Millennium BCP
  • Montepio
  • Novo Banco
  • Novo Banco dos Açores
  • Banco Popular

Em que casos devo usar?

Em compras na internet, desde que sejam feitas dentro do Espaço Económico Europeu em Euro, Coroa Sueca ou Leu Romeno.

Dica: Adicione os seus cartões MB WAY ao Paypal para ter direito à Proteção do Comprador.

Consulte as taxas antes de transferir dinheiro entre utilizadores MB WAY.

Elas são diferentes de banco para banco.

#3 Revolut

Ir para o site!

🇵🇹 ✔️          🇧🇷 ❌ 

A Revolut Ltd, com sede em Londres, foi fundada em 2013 por Nikolay Storonsky.

Na app para telemóvel, os utilizadores têm acesso uma série de serviços financeiros livres de taxas, ou com taxas muito reduzidas quando comparadas com a banca tradicional.

Funcionalidades que merecem destaque:

  • Conversão de moeda à taxa FOREX.
  • Transferências internacionais sem custos em 26 moedas diferentes.
  • Pagamentos online sem custos em 120 moedas diferentes.
  • Criar cartões virtuais.

Em que casos devo usar?

Em compras e transferências internacionais.

Dica: Use um cartão virtual Revolut dentro do Paypal e tenha direito direito à Proteção do Comprador.

Dica: Carregue a sua conta Revolut por transferência SEPA ou cartão de débito, nunca com cartão de crédito, e evite que o banco lhe cobre taxas.

#4 N26

Ir para o site!

🇵🇹 ✔️          🇧🇷 ❌ 

A N26, empresa com sede em Berlim, foi fundada em 2013 por Valentin Stalf.

Muito semelhante ao Revolut, disponibiliza uma série de serviços financeiros livres de taxas, ou com taxas muito reduzidas quando comparadas com a banca tradicional.

Funcionalidades que merecem destaque:

  • Conversão de moeda à taxa Mastercard.
  • Transferências internacionais sem custos em 19 moedas diferentes.
  • Pagamentos online sem custos em qualquer moeda.

Em que casos devo usar?

Aplica-se o mesmo que foi dito sobre o Revolut.

Alternativas ao Paypal: 2Checkout

#5 2Checkout

Ir para o site!

🇵🇹 ✔️          🇧🇷 ✔️

O 2Checkout tem sede nos Estados Unidos e foi criado em 1999.

Neste caso, estamos a falar de uma solução direcionada para aqueles que vendem produtos e serviços na internet.

O 2Checkout permite aceitar pagamentos Paypal, Visa, Mastercard e Débito, em mais de 87 moedas.

É possível receber os fundos por transferência bancária, sem que taxas sejam cobradas.

Os utilizadores do Brasil têm de receber em dólares, ou outra das moedas aceites

Taxas por transação:

Para utilizadores Portugueses, 2.4% + 30¢.

Para utilizadores Brasileiros, 3.9% + 45¢.

Para o vendedor, provavelmente, a melhor das alternativas ao Paypal!

Em que casos devo usar?

Compare com as taxas de vendedor do Paypal.

Alternativas ao Paypal: Stripe

#6 Stripe

Ir para o site!

🇵🇹 ✔️          🇧🇷 ❌ 

O Stripe tem sede em São Francisco e foi criado em 2011.

Semelhante ao 2Checkout, permite que os comerciantes recebam pagamentos na internet via cartões Visa ou Mastercard, Multibanco, transferência bancária, Google Pay, Apple Pay e Microsoft Pay.

Taxas por transação:

1.4% + €0.25 para cartões Europeus e 2.9% + €0.25 para todos os outros.

2.95% + €0.25 para pagamentos por Multibanco.

Transferências bancárias são taxadas a 0.8% + €0.25, com limites máximos.

Outra das melhores alternativas ao Paypal para comerciantes.

Alternativas ao Paypal: Skrill

#7 Skrill

Ir para o site!

🇵🇹 ✔️          🇧🇷 ✔️

O Skrill, com sede no Reino Unido, foi criado em 2011.

A empresa disponibiliza uma carteira digital com a qual é possível fazer pagamentos online e enviar dinheiro.

Para isso, é preciso carregar a conta Skrill.

Dependendo do método que o utilizador escolha, a empresa cobra:

  • Bitcoin: 1,0%
  • Mastercard e Visa: 1,9%
  • Neteller: 3%
  • Paysafe: 7%

Pelas transferências cobra:

Uma taxa de 1,9%, sendo €20 o valor máximo.

Pelas conversão de moeda cobra:

3,99% por cima das taxas de câmbio base.

Levantar fundos:

Tem um custo fixo de €5,5.

Em que casos devo usar?

Esta proposta dificilmente terá valor para os utilizadores Portugueses, excepto em casos especiais como ter a conta Paypal bloqueada 😉

Os utilizadores Brasileiros devem comparar as taxas, sabendo que o Paypal oferece muito mais segurança e proteção.

Alternativas ao Paypal: Neteller

#8 Neteller

Ir para o site!

🇵🇹 ✔️          🇧🇷 ✔️

O Neteller tem sede na Ilha de Man e foi fundado em 1999.

Muito semelhante ao Skrill, é uma carteira digital com a qual é possível fazer pagamentos online e enviar dinheiro.

Primeiro é preciso carregar a conta Neteller.

Dependendo do método que o utilizador escolha, a empresa cobra:

  • Conta bancária: 0%
  • Bitcoin: 1%
  • Mastercard: 2,5%
  • Multibanco: 2,5%
  • Visa: entre 1,9% e 4,95%

Pelas transferências cobra:

Uma taxa de 1,9%, sendo €20 o valor máximo.

Pelas conversão de moeda cobra:

A taxa é de 3,99% sobre a taxa de câmbio base.

Levantar fundos:

Os utilizadores pagam uma taxa de 7,5%.

Em que casos devo usar?

Aplica-se o mesmo que foi dito sobre o Skrill.

Alternativas ao Paypal: Payeer

#9 Payeer

Ir para o site!

🇵🇹 ✔️          🇧🇷 ✔️

O Payeer tem sede na Geórgia e foi fundado em 2012.

Como em casos anteriores, é uma carteira digital com a qual é possível fazer pagamentos online e enviar dinheiro.

Antes de começar, é necessário carregar a conta Payeer.

Dependendo do método que o utilizador escolha, a empresa cobra:

É difícil encontrar informação sobre as opções disponíveis e eu não tenho experiência pessoal com esta empresa.

O site afirma que existem opções sem custos para financiar a conta.

Pelas transferências cobra:

0,95% para enviar fundos e 0% para receber.

Pelas conversão de moeda cobra:

A taxa é de 2%.

Levantar fundos:

Entre os 3% e 5%.

Em que casos devo usar?

Aplica-se o mesmo que foi dito sobre o Skrill e o Neteller.

Alternativas ao Paypal: Google Pay

#10 Google Pay

🇵🇹 ✔️          🇧🇷 ✔️

Ir para o site!

De todas as alternativas ao Paypal desta lista, esta é a empresa que dispensa apresentações 🙂

É importante dizer que, neste momento, utilizadores de Portugal e do Brasil apenas podem usar o Google Pay para compras na internet.

Para financiar as operações só é possível usar cartão de crédito e débito.

Estão excluídos os cartões virtuais.

O Google Pay não cobra taxas.

Em que casos devo usar?

Existem casos muito específicos, como serviços do Google e certas apps, em que o utilizador terá descontos especiais.

Obrigado por visitar O Blog do Empreendedor!


Se tiver alguma dúvida, sugestão, correção a fazer, ou caso queira entrar em contacto, seja por que motivo for, envie-me uma mensagem!

História da Bitcoin: O passado que os investidores devem conhecer

Se a virmos de muito longe, a história da Bitcoin parece uma sucessão de inúmeras vitórias.

Photo by Andre Francois on Unsplash

Ainda que elas tenham sido muitas, o crescimento e a adopção desta moeda também foram construídos em cima de alguns contratempos.

Na minha opinião pessoal, e apesar da categoria em que este artigo está inserido, as criptomoedas são muito mais do que uma oportunidade de investir e ganhar dinheiro, pois têm o potencial de mudar a indústria da banca, as finanças pessoais e a economia global para sempre.

Seja qual qual for a natureza do teu interesse nas criptomoedas, conhecer a história da Bitcoin pode contribuir para o teu sucesso.

Por esse motivo, criei este artigo para listar os eventos mais significativos de cada ano de vida desta moeda digital.

[adinserter block=”2″]

A história da Bitcoin até aos dias de hoje
A cotação da Bitcoin de 2010 a 2018. Fonte: Coindesk.com

A história da Bitcoin: 2008

18 de Agosto – O domínio bitcoin.org é registado.

31 de Outubro – Um documento, da autoria de Satoshi Nakamoto, com o título “Bitcoin: Um Sistema de Moeda Eletrónica Peer-to-Peer” é enviado para uma mailing list de criptografia.

O documento original pode ser consultado aqui.

A história da Bitcoin: 2009

3 de Janeiro – A rede de Bitcoin é estabelecida quando Satoshi Nakamoto mina o primeiro bloco da criptomoeda, colocando 50 bitcoins em circulação.

9 de Janeiro – O primeiro software de interface com a rede de Bitcoin, utilizado para minerar e transacionar a criptomoeda, é distribuído por Satoshi Nakamoto.

A cópia do email pode ser consultada aqui.

12 de Janeiro – É registada a primeira transação de Bitcoin. Depois de descarregar o software, o programador Hal Finney recebe 10 Bitcoins enviadas por Satoshi Nakamoto.

5 de Outubro – O utilizador NewLibertyStandard publica a primeira taxa de câmbio para compra e venda de Bitcoin.

O site, tal como foi publicado na altura, pode ser consultado aqui.

12 de Outubro – Pela primeira vez, tanto quanto é do conhecimento público, a Bitcoin é trocada por outra moeda, quando o utilizador NewLibertyStandard compra 5,050 Bitcoins ao utilizador Sirius por 5.02 dólares via Paypal.

A história da Bitcoin: 2010

A história da Bitcoin no ano de 2010
A cotação da Bitcoin no ano de 2010. Fonte: Coindesk.com

22 de Maio – A moeda virtual é utilizada como meio de pagamento pela primeira vez, quando o programador Laszlo Hanyecz troca 10,000 Bitcoins por duas pizzas.

No momento em que acabei de escrever esta frase, 10,000 Bitcoins valiam cerca de 81 milhões de euros.

18 de Julho – O site de trading MtGox.com é colocado online, e pela primeira vez o preço da Bitcoin é indexado e disponibilizado para consulta pública com grande visibilidade.

22 de Julho – A Bitcoin regista o valor mais baixo do ano: $0.05

6 de Agosto – É detetada uma vulnerabilidade no protocolo Bitcoin, depois de observado que as transações não eram propriamente verificadas antes de serem registadas no blockchain.

15 de Agosto – A vulnerabilidade é explorada, quando mais de 184 milhões de Bitcoins são geradas numa transação e enviadas para 2 endereços diferentes. No espaço de apenas algumas horas, a transação foi detetada e apagada do blockchain.

6 de Novembro – A Bitcoin regista o valor mais alto do ano: $0.39

A história da Bitcoin: 2011

A história da Bitcoin no ano de 2011
A cotação da Bitcoin no ano de 2011. Fonte: Coindesk.com

1 de Janeiro – A Bitcoin regista o valor mais baixo do ano: $0.29

27 de Março – A corretora Britcoin começa a operar no Reino Unido, e pela primeira vez a Bitcoin é transacionada em Libras.

31 de Março – A corretora Bitcoin Brazil começa a operar no Brasil, e pela primeira vez a Bitcoin é transacionada em Reais.

5 de Abril – A corretora BitMarket.eu começa a operar na Europa, e pela primeira vez a Bitcoin é transacionada em Euros.

18 de Abril – Uma segunda criptomoeda, Namecoin, começa a ser distribuída automaticamente como bónus por minar Bitcoin.

8 de Junho – A Bitcoin regista o valor mais alto do ano: $29.60

7 de Outubro – A terceira criptomoeda da história, Litecoin, é colocada em circulação. Esta, sem qualquer relação com Bitcoin.

A história da Bitcoin: 2012

A história da Bitcoin no ano de 2012
A cotação da Bitcoin no ano de 2012. Fonte: Coindesk.com

18 de Fevereiro – A Bitcoin regista o valor mais baixo do ano: $4.22

15 de Novembro – O WordPress passa a aceitar Bitcoin como meio de pagamento.

28 de Novembro – Pela primeira vez na história da Bitcoin, e pela natureza do código utilizado para a criar, a recompensa por minar diminui para metade, passando cada bloco a libertar 25 moedas.

12 de Dezembro – A Bitcoin regista o valor mais alto do ano: $13.70

A história da Bitcoin: 2013

A história da Bitcoin no ano de 2013
A cotação da Bitcoin no ano de 2013. Fonte: Coindesk.com

2 de Janeiro – A Bitcoin regista o valor mais baixo do ano: $13.28

11 de Março – O registo de transações, ou blockchain, regista uma anomalia quando se divide em dois durante algumas horas.

11 de Março – Por esta altura existem 10 criptomoedas diferentes.

30 de Novembro – A Bitcoin regista o valor mais alto do ano. $1,156.06

5 de Dezembro – O governo Chinês proíbe todas as instituições financeiras de transacionar, oferecer seguros ou qualquer outro tipo de serviços associados a Bitcoin.

A história da Bitcoin: 2014

A história da Bitcoin no ano de 2014
A cotação da Bitcoin no ano de 2014. Fonte: Coindesk.com

6 de Janeiro – A Bitcoin regista o valor mais alto do ano: $951.39

28 de Fevereiro – O site de trading MtGox.com declara falência, depois de reter os fundos dos seus clientes durante meses, admitindo ter perdido cerca de 750,000 Bitcoins de terceiros e 100,000 do próprio site, cerca de 7% de todas as Bitcoins que existiam na altura, avaliadas nessa data em cerca de 473 milhões de dólares.

O site ainda está online, apenas com informação legal relacionada com a falência, e pode ser consultado aqui.

26 de Março – O governo dos Estados Unidos declara que as criptomoedas são bens e, portanto, as mais valias criadas em transações estão sujeitas a IRS.

10 de Abril – O governo Chinês encerra as contas bancárias de várias corretoras de Bitcoin do país.

18 de Julho – A Dell torna-se a maior empresa a aceitar Bitcoin como meio de pagamento, ao anunciar que todos os residentes nos Estados Unidos passam a poder utilizar a criptomoeda para fazer compras na sua loja online.

8 de Setembro – Braintree, uma subsidiária do Paypal, passa a aceitar Bitcoin como meio de pagamento.

11 de Dezembro – A Microsoft passa a aceitar Bitcoin como meio de pagamento em jogos, apps e outro tipo de conteúdo digital.

18 de Dezembro – A Bitcoin regista o valor mais baixo do ano: $304.46

19 de Dezembro – Charlie Shrem, o CEO da corretora BitInstant, é condenado a 2 anos de prisão por alegado envolvimento em lavagem de dinheiro com origem em negócios ilegais de utilizadores do site Silk Road.

A história da Bitcoin: 2015

A história da Bitcoin no ano de 2015
A cotação da Bitcoin no ano de 2015. Fonte: Coindesk.com

4 de Janeiro – A corretora Bitstamp vê 18,866 Bitcoins serem roubadas num ataque cibernético, com perdas a rondar os 5.2 milhões de dólares.

14 de Janeiro – A Bitcoin regista o valor mais baixo do ano: $173.06

19 de Maio – Ross Ulbricht, o criador do Silk Road, é declarado culpado e condenado a passar o resto da vida aprisionado.

3 de Junho – O departamento de serviços financeiros de Nova-Iorque cria uma série de normas para regular negócios que operam em criptomoedas.

30 de Julho – Ethereum é colocada em circulação. Por esta altura existem 25 criptomoedas, além da original.

8 de Outubro – Os gémeos Winklevoss, mais conhecidos pelas suas batalhas legais com Mark Zuckerberg, criam a corretora de criptomoedas Gemini.

22 de Outubro – A União Europeia decreta que as mais valias criadas por meio de transações de Bitcoin não estão sujeitas a IRS, um passo importante para a estabelecer como meio de pagamento.

12 de Dezembro – A Bitcoin regista o valor mais alto do ano: $468.18

A história da Bitcoin: 2016

A história da Bitcoin no ano de 2016
A cotação da Bitcoin no ano de 2016. Fonte: Coindesk.com

15 de Janeiro – A Bitcoin regista o valor mais baixo do ano: $357.77

27 de Abril – A plataforma Steam começa a aceitar Bitcoin como meio de pagamento.

9 de Julho – Pela segunda vez na história da Bitcoin, e pela natureza do código utilizado para a criar, a recompensa por minar diminui para metade, passando cada bloco a libertar 12.5 moedas.

2 de Agosto – O Bitfinex, corretora de criptomoedas com mais volume de transações da altura, anuncia que 119,756 Bitcoins dos seus clientes foram perdidas numa falha de segurança, com perdas a rondar os 72 milhões de dólares.

29 de Dezembro – A Bitcoin regista o valor mais alto do ano: $980.58

A história da Bitcoin: 2017

A história da Bitcoin no ano de 2017
A cotação da Bitcoin no ano de 2017. Fonte: Coindesk.com

11 de Janeiro – A Bitcoin regista o valor mais baixo do ano: $775.98

10 de Março – Os gémeos Winklevoss, mais conhecidos pelas suas batalhas legais com Mark Zuckurberg, vêm o SEC negar a sua aplicação para criar um produto financeiro indexado ao valor da Bitcoin.

1 de Abril – O Japão reconhece a Bitcoin como um meio de pagamento perfeitamente legal.

1 de Agosto – Depois de anos a debater a estratégia para escalar a utilização da Bitcoin, a comunidade divide-se em dois grupos quando o código se divide em dois, dando origem à Bitcoin Cash.

15 de Setembro – As autoridades Chinesas avançam para encerrar todas as corretoras de criptomoedas a operar em Beijing.

25 de Outubro – A moeda original subdivide-se em duas, com a criação da Bitcoin Gold, numa tentativa de descentralizar os processos de mineração.

8 de Novembro – O upgrade SegWit2X, que resultaria na divisão da Bitcoin em duas moedas diferentes, é cancelado devido a divisões de opinião dentro da comunidade de utilizadores e programadores.

11 de Dezembro – A corretora Cboe Global Markets Inc. introduz no mercado os futuros de Bitcoin, a primeira aplicação financeira derivada de um produto do universo das criptomoedas.

17 de Dezembro – A Bitcoin regista o valor mais alto do ano: $19,694.68

19 de Dezembro – Na Coreia do Sul, a corretora de criptomoedas Youbit declara falência depois de perder cerca de 16 milhões de dólares no segundo ataque cibernético do ano.

28 de Dezembro – O governo da Coreia do Sul ameaça fechar todas as corretoras de criptomoedas a operar no país, em função de um clima de elevada especulação.

A história da Bitcoin: 2018

A história da Bitcoin no ano de 2018
A cotação da Bitcoin no ano de 2018. Fonte: Coindesk.com

20 de Fevereiro – A primeira criptomoeda nacional, o Petro, é colocada em circulação pelo governo da Venezuela.

Outros artigos que talvez sejam do teu interesse: