“Pai Rico, Pai Pobre”, Robert Kiyosaki: O pior livro sobre dinheiro?

O mérito e o valor do livro “Pai Rico, Pai Pobre”, de Robert Kiyosaki, são discutíveis…

Seja qual for a opinião pessoal de cada um, existem poucos livros escritos sobre o tema da prosperidade financeira que tenham vendido mais cópias do que este.

Assim sendo, esta review torna-se obrigatória.

Se tiveres alguma dúvida, sugestão, correção a fazer, ou caso queiras entrar em contacto, seja por que motivo for, envia-me uma mensagem!

Também gostava de receber sugestões de livros para fazer reviews!

[adinserter block=”2″]

2013 foi o ano em que li pela primeira vez “Pai Rico, Pai Pobre”, de Robert Kiyosaki.

Estava mesmo a começar a explorar o empreendedorismo e a prosperidade financeira.

Infelizmente acabei por me envolver com uma empresa de network marketing…

Esta nota sobre esse momento da minha vida parece-me importante, uma vez que o livro ganhou muita da sua notoriedade junto dessa audiência.

Lembro-me que, nessa altura, a informação me pareceu incrivelmente valiosa, inteligente e sofisticada, e cheguei ao fim do livro em apenas um dia.

5 anos depois, reler o livro foi doloroso e só me obriguei a terminar para poder escrever esta review.

Este é, provavelmente, o pior livro que já li sobre a temática da prosperidade financeira…

“Pai Rico, Pai Pobre”, Robert Kiyosaki – O pior livro sobre finanças?

Porque é que a minha opinião é tão negativa?

Há várias coisas que me fazem levantar a sobrancelha…

1. O livro diz muito, muito pouco.

É incrível que se consiga escrever quase duas centenas de páginas com tão pouca substância!

O livro tem algumas ideias-chave, para as quais vamos olhar mais à frente, que se repetem vezes sem conta no meio de toneladas de palha e frases totalmente vazias.

2. A informação é muito, muito básica.

A narração a partir do ponto de vista de uma criança assenta perfeitamente, de tão básicas que são as dicas do autor.

É plausível, e mais à frente vamos perceber porquê, que esta escolha tenha sido feita intencionalmente para tentar manipular o pensamento crítico dos leitores.

Num mundo com Youtube, Shark Tank, e-books, etc., este livro é completamente obsoleto.

Apropriado para crianças dos 10 aos 15 anos, e talvez nem isso pelas razões que se seguem.

3. O crime faz parte dos biscoitos de sabedoria de Robert Kiyosaki.

Ao longo do livro, ele recomenda várias vezes estratégias como a evasão fiscal, negociar nos mercados financeiros com informação priveligiada, etc.

Boa onda.

4. Robert Kiyosaki recomenda agir de forma irresponsável.

Coisas como: “usar primeiro o dinheiro para investir em vez de pagar as contas de casa, porque assim ficamos muito motivados para gerar receita”.

Ele nunca recomenda abertamente que as pessoas abandonem os seus estudos, mas basicamente é isso que ele faz.

5. Fala-se demasiado em ganhar dinheiro fácil.

Fala-se em comprar empresas, ações, imobiliário e propriedade intelectual, como se fosse uma ida ao supermercado.

“Comprem muitas coisas que dão dinheiro e não dão trabalho”, é basicamente a ideia.

6. Tenho muitas dúvidas sobre a experiência do autor.

Há muitas linhas que me fazem duvidar da experiência de Robert Kiyosaki, e da veracidade dos investimentos que eles diz ter feito.

Vou dar exemplos mais à frente.

7. Tenho muitas dúvidas sobre a existência do Pai Rico.

Se os ensinamentos do Pai Rico foram tão importantes, porque é que Robert Kiyosaki não o honra com uma menção no seu livro?

Podemos argumentar que foi para proteger a sua identidade ou por ter assinado um acordo de confidencialidade…

Mas em 1992, 5 anos antes de “Pai Rico, Pai Pobre”, Robert Kiyosaki escreveu “Empreendedorismo não se aprende na escola”.

Nesse livro, diz que Ralph H. Kiyosaki, o seu pai biológio – também conhecido como o Pai Pobre – foi o melhor professor que alguma vez teve.

Ele lista 111 pessoas que foram importantes para ele, sem fazer qualquer menção ao Pai Rico.

8. Incomoda-me a proximidade com a indústria do marketing de rede.

Robert Kiyosaki recomenda que as pessoas invistam neste tipo de negócios.

Porque não? Elas têm um excelente histórico de sucessos!

9. A atividade comercial de Robert Kiyosaki é muito duvidosa.

Vamos entrar em detalhe mais à frente, mas há muita controvérsia à volta de Robert Kiyosaki.

O autor foi alvo de uma reportagem que expôs seminários sobre investimento imobiliário, onde os participantes eram pressionados a ligar aos seus bancos para pedir aumentos de milhares de euros no limite dos seus cartões de crédito, com guiões para ler ao telefone que a organização distribuía, para pagar um curso premium ainda mais caro.

10. Incomoda-me a forma como se fala das pessoas com poucos meios e outras ambições na vida.

As pessoas não são pobres só porque têm uma mente fraca ou porque nunca leram os livros certos… O mundo é muito mais complexo do que isso.

Fala-se de sindicatos de trabalhadores como se fossem a maior praga do planeta…

Nem toda a gente tem ambição de ser um empreendedor, e qual é o problema?

Há pessoas que encontram imensa felicidade numa vida onde o dinheiro não importa assim tanto, e elas, na minha opinião, são igualmente ou ainda mais interessantes.

As ideias-chave de “Pai Rico, Pai Pobre” de Robert Kiyosaki

  1. A literacia financeira é muito importante e tem que ser procurada longe das escolas, universidades e outras instituições do sistema de ensino.
  2. Os pobres trabalham para receber dinheiro.
  3. Os ricos têm o dinheiro a trabalhar para eles na forma de rendimentos passivos, ou seja, que geram receita mesmo quando não se trabalha.
  4. Os pobres ficam presos na sua situação financeira porque quando os seus rendimentos aumentam eles gastam tudo nas suas casas e em bens de consumo desnecessários, e contraem dívidas.
  5. Os empregados estão presos na sua situação financeira porque trabalham para as empresas, para o governo ao qual pagam impostos e para os bancos que são donos dos créditos das suas casas e carros.
  6. Os ricos são ricos porque acumulam ativos que geram receita.
  7. Saber distinguir dívidas e ativos é muito importante.
  8. Os pobres não procuram investir porque têm medo do risco. Os ricos aprendem a gerir o risco via leteracia financeira.
  9. Na verdade, depois de se aprender, ganhar dinheiro é muito fácil e quem não arrisca é que fica a perder.
  10. Os empregos devem ser escolhidos em função da competência que o empreendedor pretende desenvolver, e não pela contrapartida monetária.
  11. É mais importante saber um pouco de várias coisas do que ser altamente especializado.
  12. Saber fugir ao pagamento de impostos é uma competência muito importante, que é necessário desenvolver para ser rico.
  13. O litígio faz parte do dia-a-dia, por isso qualquer empreendedor tem que se proteger com advogados.
  14. A maior parte das pessoas são vítimas de defeitos como a covardia, o cinicismo, a preguiça, a arrogância e maus hábitos.
  15. É boa ideia rodearmo-nos de pessoas mais inteligentes do que nós, das quais possamos aprender por associação.
  16. A generosidade compensa.
  17. O CASHFLOW, jogo que Robert Kiyosaki inventou, é a melhor maneira de começar a pôr toda esta teoria em prática.

Não precisa de acreditar em mim… Pode comprar livro e constatar por si mesmo.

Não vai aprender mais do que isto.

E todas estas ideias têm que ser bem espremidas, pois estão enterradas em palha, histórias duvidosas sobre os investimentos pessoais de Robert Kiyosaki e lugares comuns.

Existem coisas ainda piores, das quais vamos falar a seguir…

As minhas críticas e dúvidas em relação a “Pai Rico, Pai Pobre” e Robert Kiyosaki

Vou parafrasear algumas linhas do livro e depois dar o meu comentário.

Depois disso, vamos falar de alguma da controvérsia à volta de Robert Kiyosaki.

Algumas linhas do livro, com comentário

Vou tentar ser breve, e vou comentar apenas aquelas que acho mesmo graves.

Na página 5:

“O Pai Pobre queria que eu estudasse para eu ser um profissional, um advogado ou contabilista, e que fosse para uma escola de gestão tirar um MBA”

Num MBA, ou Master of Business Administration, as pessoas aprendem:

  • Finanças
  • Contabilidade
  • Marketing
  • Gestão de recursos humanos
  • Gestão de operações

Entre outras coisas…

Na página 5 Robert Kiyosaki fala dum MBA num tom de desprezo.

Depois, na página 128:

“Os principais skills de gestão necessários para o sucesso são:

  • Gestão de dinheiro
  • Gestão de operações
  • Gestão de pessoas

As competências especializadas mais importantes são o marketing e as vendas.”

Ok…

Na página 77:

“No meu mundo, verdadeiros ativos pertencem a uma destas categorias:

  • Empresas que não precisam da minha presença, porque são geridas por outra pessoa.
  • Ações
  • Obrigações
  • Imobiliário
  • IOUs
  • Royalties de propriedade intelectual como músicas, guiões de filmes e patentes.
  • Qualquer outra coisa que tenha valor, produza receita ou valorize e tenha um mercado.”

As empresas não funcionam sozinhas…

Outras pessoas tratar da gestão, mas criar uma empresa dá muito trabalho e ninguém vende empresas que estão a dar toneladas de lucro…

Músicas?!?

Que eu saiba, 99% dos músicos profissionais morrem pobres.

Guiões?!?

Que eu saiba 99% dos guiões não saem das gavetas.

E quando saem, passam pela aprovação de estúdios, distribuidoras, produtores, realizadores, etc.

Uma minoria muito pequena acaba no cinema. Desses, alguns dão dinheiro…

Na página 78:

“Eu gosto de criar empresas mas não gosto de as gerir.

Por isso, as minhas ações normalmente são de empresas pequenas.

Às vezes eu até crio a empresa e levo-a até à bolsa de valores.”

Criar empresas é como montar um móvel do IKEA?

Empresas pequenas, no mundo real equivale a lucros pequenas.

Convém gostar de gerir, porque os mercados financeiros não aceitam qualquer supermercado de bairro…

É preciso que a empresa consiga dar provas de valor para o mercado.

Isto demora a construir…

Na mesma página:

“9 de cada 10 empresas vai à falência em 10 anos. Das que sobrevivem, 9 de cada 10 também acaba por falir eventualmente.”

Acho que consegues apreciar a ironia sem a minha ajuda…

Na página 90:

“Investir é a ciência de gerar dinheiro com dinheiro. Isto envolve estratégias e fórmulas que usam o lado direito do cérebro, responsável pela criatividade.”

Isto é uma citação. A sério…

Na página 110:

“Nós fazemos negócios de alto risco, ao comprar empresas de especulação privadas que estão prestes a ter o seu IPO numa bolsa dos Estados Unidos ou Canadá.”

Ninguém vende uma empresa a dias de uma entrada em bolsa…

Qual é a empresa que passa meses a fio a lidar com bancos a preparar uma entrada na bolsa, na esperança de multiplicar várias vezes o valor da empresa, e na reta final decide vender tudo?

Na página 145:

“Se eu me pagar a mim próprio primeiro, não me preocupando com creditores, contas ou impostos, a pressão é tanta que me obriga a procurar outras formas de rendimento.

A pressão torna-se a minha motivação.”

Que conselho sensato…

Na página 165:

“Em todos os meus investimentos, tem que existir um lado positivo, algo de graça – como um condomínio, uma unidade de armazenamento, um terreno, uma casa, ações ou um complexo de escritórios.”

Qual é o homem de negócios que oferece assim propriedades?

Vamos ficar por aqui…

O leitor deve tirar as suas próprias conclusões.

Sobre a controvérsia à volta de Robert Kiyosaki

Não me vou alongar muito.

Ficam 3 vídeos sobre um a reportagem do programa “Marketplace”, da CBC.

Tentei ao máximo ser justo com o livro “Pai Rico, Pai Pobre” e com Robert Kiyosaki…

Mas este blog foi criado para ajudar as pessoas a fazer bons investimentos e, assim sendo, não consigo recomendar a compra deste livro, porque ele não é um bom investimento.

6 comentários em ““Pai Rico, Pai Pobre”, Robert Kiyosaki: O pior livro sobre dinheiro?”

    • Olá, Marília!

      Apesar de tudo, acho que vale a pena ler o livro.
      Mas acho que ele é mais indicado para pessoas com muito pouca experiência e literacia financeira…
      Obrigado pelo comentário 🙂

  1. Olá achei o seu artigo muito interessante embora eu tenha uma opinião muito contraria a sua em relação ao livro. Mas é mesmo assim interessante ter outro ponto de vista. Gostaria de lhe perguntar se acabou por investir as suas poupanças tal como Kiyosaki recomenda?

    • Olá, Francisco 🙂

      Já fiz alguns investimentos em plataformas de investimento peer-to-peer, bitcoin, forex…
      Não sou milionário e não tenho interesse ou paciência para mentir em relação à minha experiência ou estilo de vida.
      Há toneladas desse tipo de conteúdo na internet 🙂

      Em relação ao Robert Kiyosaki:

      Nada como dizer que ser rico é super fácil quando o objetivo é vender produtos 🙂
      Na minha humilde opinião, qualquer pessoa com o mínimo de entendimento sobre os mercados financeiros ou o investimento em imobiliário percebe que mais de metade daquelas histórias são pura ficção/desenhadas para vender uma fantasia.

      A falta de ética e a falta de verdade do Robert Kiyosaki está mais que documentada…

      Eu percebo que o livro é quase um ritual de passagem e o ponto de partida para a maior parte das pessoas. Também foi o meu.
      Mas sinceramente, para lá da fantasia de ser rico, acho que a maior parte das pessoas tira muito poucos benefícios práticos do livro.

      Obrigado pelo comentário 🙂

  2. Bom dia, recomenda alguma leitura para tentar obter sucesso financeiro? Tenho tantas ideias, mas nenhuma posta em prática.

    • Olá, Clementina

      Tudo depende do que pretende fazer, mas posso dar algumas sugestões 🙂

      Para desbloquear criatividade e força de vontade: A Guerra da Arte, Steven Pressfield.

      Se quiser fazer algo relacionado com algum tipo de mídia digital (blogs, youtube, redes sociais, etc): Digital Influencer, John Lincoln.

      Mercados financeiros: One up on Wall Street, Peter Lynch.

      Espero que ajude!

Deixe um comentário